Home » Seu Lar » Saúde » A crise de Asma pode ser controlada segundo especialistas, entenda

A crise de Asma pode ser controlada segundo especialistas, entenda

Você sabe o que é uma crise de Asma? Então aprenda e veja como pode ser tratada! A asma é mais comum que muitos pensam, ela é a inflamação dos brônquios de forma crônica.

14/07/2010 23h45m. Atualizado em 14/04/2015 18h40m por:

 

A asma é a inflamação dos brônquios de forma crônica. Estes ficam mais estreitos, dificultando a respiração d paciente e causando tosse e falta de ar. Esta doença é hereditária, e ocorre frequentemente em famílias com casos de alergia. A crise de asma é desencadeada em certas situações como, por exemplo, a exposição à alérgenos e produtos químicos, espisódios de gripe e pneumonia e variações repentinas de temperatura.

No Brasil

No Brasil, 10% da população é asmática, e 7% destes controlam a doença. Em todo o mundo, estima-se que existam de 100 a 150 milhões de asmáticos. Geralmente, ela é mais recorrente em crianças, mas também pode surgir em um adulto. Não existe cura, mas pode e deve ser controlada. Os principais sintomas da crise de asma são: falta de ar, tosse, aperto e chiado no peito e cansaço, que agravam-se durante a noite e no início da manhã, e enquanto o paciente pratica algum exercício.

1-crise de asma

Tratar crises de asma

Existem diversas maneiras de tratar a asma. Na nebulização, o medicamento mistura-se com soro fisiológico e trasnforma-se em uma “nuvem” de gotículas que são inaladas. No aerossol dosimetrado, conhecido por “bombinha”, o medicamento fica pressurizado e, como a pressão exercida pelos dedos, sai pala válvula e é inalado.

2-crise de asma

1. Inalador

Já no inalador de pó seco, o medicamento está em pó e é aspirado. Ainda é possível usar as vacinas contra alérgenos e a fisioterapia respiratória. A asma é classificada em leve, moderada e grave, sendo que apenas na última o uso de remédios é contínuo.

A asma é uma doença perigosa, e em qualquer situação de risco para o paciente deve ser procurado um médico pneumologista.

 
 

 
Comente via Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *